quarta-feira, fevereiro 24, 2010

Você de novo



Estava muito tedioso e quente aquela noite; saí para a rua, de chinelo, short curto e camisa sem manga. Não sou nenhum ator pornô em termos de corpo, tenho aquelas gordurinhas do lado etc. Você estava sentado no banco da pracinha, de pernas cruzadas, com um copo enorme de vidro na mão. Provavelmente fez como eu, saiu de casa para curtir a brisa noturna (estava quente mesmo assim, aliás). Você era muito elegante, cruzava as pernas num ângulo atraente, coluna reta, olhar pra frente, e um casaco preto de lã grossa em pleno verão. O líquido dentro do copo era escuro e tinha só um restinho, podia ser xarope de guaraná, suco de uva, coca-cola, chá preto, chá gelado. Mas com certeza era algo alcoólico porque você parecia sonolento; então guaraná com vodka, vinho, long island, cuba libre.

Depois houve um turbilhão de coisas e eu não sei o que veio depois do quê. Sei que houve dentes, gengivas, línguas, um tórax, pelos, hálito, bunda, roupa, grama, cimento. Acordei no dia seguinte com um machucado no pescoço SIM e não sei se foi culpa sua ou culpa de alguma outra coisa banal, tipo fazer a barba pensando no próximo livro a ler. Ah, e a gente conversou bastante antes de você se jogar em mim. Eu tentei me defender, lembro perfeitamente, só não sei se por causa do medo ou do meu amadurecimento precoce. No final eu não resisti e só restou a poça de suor ali no chão. Você era forte. Humm.

Lembrando agora, foi mesmo tudo igual a sempre, como sempre é. Todos os fantasmas se parecem e conhecer cada um a partir do 0 e constituir uma história dali é muito, muito trabalhoso e requer um silêncio que vem de dentro. Tem mais não.

ps.: saudade do tempo em que eu lia muito mangá. agora eu só leio coisas com citações.

2 comentários:

Rafael disse...

hm, misterioso. não sei se entendi direito, ou se tinha algo a ser entendido...

Cati disse...

Será que era melado com vodka?